Se você trabalha com marketing, comunicação ou arte, provavelmente já escutou o termo “Personas” por aí e tem uma ideia do que se trata. Mas vamos partir do princípio de que você não faz ideia do que eu estou falando, certo? Assim, eu posso tomar a liberdade de te explicar o melhor que eu puder sobre.

Na Grécia antiga,personas é como eram chamadas as mascaras de teatro utilizadas pelos atores no momento de entrar em um personagem. Esse termo foi incorporado nas mais diversas especialidades, sendo utilizado para a criação do perfil do cliente ideal de uma empresa, marca, produto, serviço, solução ou ideia.

Mas, afinal, o que são buyer personas no contexto atual?

Segundo uma das maiores fontes de informação sobre marketing de conteúdo e vendas do mundo, o Hubspot,buyer persona“é uma representação semifictícia do seu cliente ideal”, ou seja, é a “personificação” do público-alvo de um negócio, de forma detalhada. Esse detalhamento de informações sobre o público-alvo vai além de idade, sexo e classe social, sendo necessário uma pesquisa aprofundada que inclua dados demográficos, motivações, padrões de comportamento, preocupações, aspirações e objetivos do cliente ideal de uma marca.

Mais do que saber quem é o seu cliente, uma marca precisa entender esse público e seu comportamento – perguntas como “Quem é esse indivíduo?”, “O ele faz?”, “O que consome?”, “Do que se alimenta?” e “Onde habita?” parecem engraçadas, mas são essenciais nesse processo de conhecimento. A construção do(s)buyer persona(s) de uma marca vai ajudá-la a entender o seu consumidor, por isso se tornou uma ferramenta essencial para quem trabalha com Inbound Marketing.

A partir dos dados obtidos sobre o consumidor ideal do seu negócio, o processo de construção do buyer persona começa com a criação de um perfil detalhado que englobe as informações captadas. Nomeie esse personagem, descreva as suas características, comportamento, objetivos e conte um pouco da história dele, pois ele será o perfil do seu consumidor ideal.

O personagem criado representa o cliente que entenderá a sua ideia e o propósito da sua empresa. Os indivíduos que se encaixam nesse perfil são os consumidores do seu produto/serviço, que vão procurar a solução que você oferece e pagar para consumi-la – e são para essas pessoas que você deve pensar a comunicação do seu negócio!

E é justamente nesse processo de comunicação e relacionamento que o buyer persona auxilia uma marca. Ele vai te ajudar a compreender os hábitos de consumo do seu cliente ideal, entender seu comportamento, saber onde ele se encontra, o que consome, o que ele busca e quais lugares frequenta. Essas informações são riquíssimas para que uma marca saiba onde inserir-se de forma eficaz para que esse cliente venha a conhecê-la e passe a consumi-la.

É importante deixar de lado o “achismo” e levar em consideração dados factíveis e informações reais sobre comportamento no momento de criar o buyer persona do seu negócio. Dessa forma, o perfil de cliente ideal traçado será mais assertivo e vai melhor ajudá-lo a criar as estratégias de marketing da sua empresa.

Mais do que isso, o retrato eficaz do buyer persona de uma marca ajuda a determinar a forma como ela se comunicará com esse cliente, o tom que este diálogo deverá carregar, o tipo de conteúdo que deverá ser produzido para atrair o seu consumidor ideal, onde esse conteúdo deverá ser veiculado para que o seu público seja atingido e a forma como esse processo irá ocorrer.

Conhecer o público-alvo de um produto ou serviço é básico. Construir personas é um passo além. Saber atrair a atenção do cliente ideal, como interagir com ele e como mantê-lo interessado exige muita pesquisa, trabalho e raciocínio, mas o resultado costuma ser mais assertivo e gratificante. Minha dica é: não poupe esforços para compreender esse grupo de indivíduos que é peça chave para o sucesso do seu negócio.

Por Luana Leão – Aspirante de Relações Públicas e colaboradora estratégica da Abarca